RSS

Arquivo mensal: agosto 2009

Os Fariseus de hoje

Os Pecados dos Fariseus
As palavras fortes de Jesus “Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas” ecoam através de todo Mateus 23 (versículos 13,14,15,23,25,27,29). Os evangelhos estão cheios de controvérsias entre Jesus e os fariseus (Mateus 9:11,34; 12:2,14,24,38; 15:1,12; 16:6-12; Lucas 11:37-44; 12:1 e muitos outros textos).

Quem eram estes fariseus e por que Jesus se opunha tanto a eles?

Os fariseus eram um grupo religioso que se originou dois séculos antes de Cristo. Eles eram líderes de um movimento para trazer o povo de volta a uma submissão estrita à palavra de Deus e eram considerados geralmente como os servos mais espirituais e devotos de Deus. A oposição vigorosa de Jesus contra eles deixava muitos perplexos. A maioria das pessoas daquele tempo pensava que se alguém fosse fiel ao Senhor, certamente seriam os fariseus. O Senhor decididamente inverteu os valores do mundo (Lucas 16:15). Se Jesus fosse retornar hoje, a quem ele se oporia? Seriam aqueles a quem respeitamos bastante? Ele nos atacaria como criticava os fariseus? Precisamos pesar as razões por que Jesus os repreendia e então olhar cuidadosamente para nossas próprias vidas (Mateus 5:20; 16:6,12).

Seguiam a tradição

Os fariseus seguiam não somente a lei escrita de Deus, mas também as tradições orais que lhes tinham sido passadas. Eles acreditavam que ambas eram a vontade de Deus. Jesus não seguiu as tradições deles; da¡, eles atacaram-no (Mateus 15:1-14; Marcos 7:1-13). Ele respondeu às críticas deles distinguindo claramente entre a lei de Deus e os mandamentos dos homens. Jesus guardou todas as leis de Deus, mas sempre ignorou as regras do homem. Ele lhes mostrou que, guardando a tradição, os fariseus na realidade quebravam a palavra de Deus (Mateus 15:3-6).

Muitas igrejas modernas imitam os fariseus. Elas se agarram a suas tradições acima da palavra de Deus. Muitas delas têm credos ou catecismos junto com a Bíblia aos quais eles dão sua fidelidade. Outros colocam os ensinamentos do pastor, pregador ou papa no mesmo nível com as Escrituras. Jesus advertiu: “Em vão me adoram, ensinando doutrinas que são preceitos de homens” (Mateus 15:9).

A idéia dos fariseus era colocar uma cerca em volta da lei de Deus. Desde que a lei de Deus proibia o trabalho no sábado, por exemplo, eles proibiam as mulheres de olharem num espelho no sábado. O raciocínio deles: se uma mulher olhasse num espelho poderia ver um cabelo branco e ser tentada a arrancá-lo, e arrancar poderia ser trabalho. Estamos procurando impressionar os homens ou servir a Deus humildemente? estavam procurando fazer uma cerca mais restritiva que a palavra de Deus. O motivo deles era louvável; eles queriam estar certos de que ninguém jamais quebrasse a lei de Deus. Eles pensavam que não rompendo-se a cerca, não se chegaria nem perto de quebrar a lei. Havia apenas um problema com a abordagem deles: se Deus quisesse uma cerca em volta de sua lei, ele mesmo teria construído uma. Ele não o fez; portanto, nós também não dever¡amos fazê-lo (Mateus 23:4; Lucas 11:46). As igrejas de hoje também acrescentam regras que vão além dos mandamentos da Bíblia. Regras extremas quanto ao vestuário e regulamentos minuciosos sobre cada pormenor da vida são certamente herdeiros legítimos da herança farisaica.

A solução para tudo isso é bem simples: examine a origem do ensinamento. Se é de Deus (isto é, está na Bíblia), então deve ser seguido. Se não, não deve, porque “toda planta que meu Pai celestial não plantou será arrancada” (Mateus 15:13).

Buscavam ser honrados

Jesus condenou os fariseus pelo interesse deles em impressionar os outros (observem Mateus 23:5-12; Marcos 12:38-40; Lucas 16:15; 20:46-47).

Eles tinham aperfeiçoado diversas técnicas de chamar atenção, como usar roupas especiais para fazê-los parecer mais religiosos, orar e jejuar de modos muito visíveis (Mateus 6:1-18), e disputar pelas posições mais elevadas tanto na sinagoga como no mercado. Eles insistiam em que os outros lhes dessem títulos especiais de respeito, quando os saudassem, porque queriam ser notados e admirados.Satanás ainda consegue colocar orgulho humano nos corações de muitos “cristãos”. Quantos líderes religiosos de nossos dias imitam estes fariseus em quase todas as minúcias, usando roupagem especial para distingui-los como “clérigos”, usando títulos especiais, e adorando com grande pompa e cerimônia?

A religião nos nossos dias tem sido reduzida a uma questão de espectadores aplaudindo os atos deslumbrantes daqueles que estão no palco. O holofote têm sido apontado para o pastor eloqüente, cheio de si, de maneira que poderia causar inveja até a um fariseu. Estamos procurando impressionar os homens ou servir a Deus humildemente?

Amavam o dinheiro

Os fariseus eram cobiçosos (Lucas 16:14). Jesus os acusou de roubalheira (Mateus 23:25) e de devorar as casas das viúvas (Marcos 12:40; Lucas 20:47). É difícil saber exatamente como eles “devoravam” as casas das viúvas; talvez persuadindo-as a fazer grandes doações. Certamente, pessoas de má fé no meio religioso hoje em dia têm explorado os pobres e velhos forçando-os a fazerem doações além de suas condições. Alguns até ridicularizam as doações pequenas (chocante, à vista de Lucas 21:1-4; Marcos 12:41-44) e garantem bênçãos financeiras do Senhor em troca de enormes ofertas. Claramente, assim como seus mentores antigos, eles cobrem sua exploração com um verniz de fervor religioso (observe as longas orações de Marcos 12:40; Lucas 20:47). Não é de admirar que Jesus advertisse: “Ai de vós, escribas e fariseus hipócritas, porque rodeais o mar e a terra para fazer um prosélito; e, uma vez feito, o tornais filho do inferno Os hipócritas religiosos de nossos dias cumprem seus deveres religiosos externos perfeitamente, mas permitem que pecados como orgulho, inveja e ódio floresçam por dentro.duas vezes mais do que vós” (Mateus 23:15).

Viviam hipocritamente

Os fariseus eram falsos, pretendendo ser algo que não eram. Eles limpavam minuciosamente o exterior (a parte que as pessoas podiam ver), mas negligenciavam a justiça interior (Mateus 23:23-33). Eles invertiam o que era racional. Uma vez que o pecado começa no coração, a operação de limpeza tem que começar aí também. Jesus comparou a maneira farisaica com alguém que limpasse cuidadosamente o exterior de uma taça ou prato, mas deixasse comida apodrecendo por dentro sem se importar com isso. Conquanto não se queira beber numa taça que esteja suja por fora, a primeira preocupação é com a limpeza interior. Os hipócritas religiosos de nossos dias cumprem seus deveres religiosos externos perfeitamente, mas permitem que pecados como orgulho, inveja e ódio floresçam por dentro.

Os fariseus demonstravam hipocrisia de um segundo modo. Eles desequilibravam-se, dando o dízimo de cada pequena erva enquanto ignoravam totalmente os princípios mais importantes da vida espiritual. Jesus comparou-os com alguém que se certificasse de ter coado cada mosquito de sua bebida; após, porém, engolisse um camelo inteiro! Ele não estava criticando a insistência farisaica por um dízimo rigoroso, mas dizendo que a ênfase precisava ser posta na fidelidade, no amor e na justiça. Infelizmente, os escrúpulos dos fariseus em atender às minúcias deixavam que eles se sentissem justificados por negligenciar princípios elementares da lei. Do mesmo modo, muitas igrejas de nossos dias ressaltam pontos relativamente menores à custa da negligência completa dos assuntos de maior peso. Quando elas têm maior interesse pelo exato comprimento do cabelo de uma mulher ou pelo uso de gravata pelo homem e interessa-lhes menos a honestidade, a pureza moral e o amor a Deus, estão seguindo perfeitamente no caminho trilhado pelos fariseus.

Eram cegos

Jesus expôs a cegueira de sua geração (Mateus 13:13-15). Apesar de examinarem as Escrituras diligentemente, os fariseus deixavam de ver o que elas estavam indicando (João 5:39-40). Sua pesquisa exaustiva e horas incansáveis de estudo não produziam para eles discernimento da verdadeira mensagem da Bíblia.

O que causava a cegueira deles? Eram preconceituosos, permitindo que seus desejos velassem o que as Escrituras ensinavam. Seu orgulho impedia-os de se humilharem o suficiente para permitirem que o Senhor abrisse seus olhos (João 7:45-52; 9:24-34). Eles deturpavam as palavras que Jesus dizia e negavam seus milagres (Mateus 12:22-24).

Eles recorriam a desonestidade absoluta (Mateus 28:11-15). A questão penetrante é: somos cegos também? Ler a Bíblia não nos imuniza. Somente um coração terno e um amor pelo Senhor nos capacitarão a entender as Escrituras que lemos.

Rejeitavam o Propósito de Deus

“Todo o povo que o ouviu e até os publicanos reconheceram a justiça de Deus, tendo sido batizados com o batismo de João; mas os fariseus e os intérpretes da lei rejeitaram, quanto a si mesmos, o desígnio de Deus, não tendo sido batizados por ele” (Lucas 7:29-30). Os fariseus rejeitaram a Deus, recusando-se a serem batizados por João.

Hoje, quando as pessoas argumentam contra ou tentam mudar o padrão bíblico do batismo, elas imitam os fariseus e negam o propósito de Deus. Talvez não nos surpreenderíamos ao saber que os homens ainda agem como fariseus. Os homens não mudam muito. Deus não muda nunca. Ele se opõe aos modernos fariseus da mesma maneira que se opunha aos antigos. “Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas…”

– por Gary Fisher

Anúncios
 

Globo x Record: Duelo de gigantes

Fazia tempo que o Jornalismo brasileiro não andava tão divertido. Ultimamente, todos os interesses e as opiniões se escondiam nas entrelinhas. Nas últimas décadas, o monopólio de uma empresa de comunicação fez com que tudo fosse muito comedido. Afinal, não havia ameaça. Quando ela surgia, era abatida nos bastidores. Ontem começou uma reviravolta. Quase uma guerra. Em rede nacional. Hoje, ela atingiu o seu auge. O critério jornalísitico sumiu completamente dos principais telejornais da Globo e da Record.
» Siga o Vooz no Twitter
» Add o Vooz no Orkut
O primeiro critério em que se nota isso é o tempo. Normalmente, uma matéria de telejornal tem uns dois minutos, quando tem certa importância. Na Globo ontem uma matéria chegou a dez minutos. Hoje, na Record, não contei, mas arrisco dizer que uma mesma cobertura foi a quase 20. A notícia é bem simples e mereceria os dois minutos de sempre: o bispo Edir Macedo, dono da Record e da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD), e mais nove pessoas – algumas delas também ligadas à Rede Record – foram denunciados por lavagem de dinheiro. A cobertura do Jornal Nacional de ontem está nesse post. A cobertura da Record de hoje foi absurdamente fantástica, no sentido de inacreditável.
Mais ou menos ao mesmo tempo em que a emissora do bispo começava a sua matéria, a Globo fazia a sua parte. Hoje foram mais quase nove minutos, em três matérias: essa, essa e essa. O mais incrível é que não havia notícia nos 20 minutos de cobertura do Jornal da Record (a emissora não disponibiliza os vídeos na internet). Nada. Era apenas uma tentativa de afirmação da emissora frente às denúncias da Globo. É uma briga de duas gigantes, nitidamente. Os apresentadores Celso Freitas e Ana Paula Padrão, ambos ex-Globo, chamaram a matéria sobre as denúncias a Edir Macedo desde o primeiro bloco, mas ele ficou para o encerramento do Jornal. Logo de cara, na escalada, falaram que mostrariam os interesses por trás das denúncias. Nas chamadas no final do primeiro, segundo e terceiro blocos, o tema foi o trabalho social desenvolvido pela Igreja Universal, o crescimento da Rede Record como um incômodo à concorrência e novamente o trabalho da Igreja.
A cobertura começou mesmo no quarto bloco, e entrou com tudo. Já na cabeça da matéria principal, os apresentadores falaram no crescimento da Rede Record, que, segundo eles, é sinônimo de democratização do acesso à notícia, mas que esse crescimento incomoda a concorrência. Uso as mesmas palavras ditas por eles. O termo “manipulação”, que é bastante forte, foi utilizado, para descrever a prática da Rede Globo com relação à notícia. Já na reportagem, falou-se na agressividade da emissora concorrente, e partiu-se para uma espécie de análise da cobertura feita por ela. Tendenciosa, é claro. Como o Jornalismo B já havia feito, a Record mostrou o absurdo de uma matéria dessas ter dez minutos de duração e, também como o meu colega fez ontem, comparou com o tempo dedicado ao tema por outras emissoras. O que impressiona, até aqui, é a forma aberta com que esse tipo de coisa está sendo dita. É uma resposta direta e desproporcional, de quem se defende, mas ataca, e muito.
A coisa vai muito longe. A Record acusa a família Marinho de usar a televisão para seus interesses, e fala em acordos escusos, até em participação em fraudes eleitorais. A ligação da Globo com a ditadura, tão camuflada pelos Marinho, é altamente explorada na edição de hoje do Jornal da Record. O jornal fez um tour pela história da vênus platinada, sempre pelo lado negativo, mostrando todos aqueles casos que a Globo insiste em fingir que não existiram, como a influência direta na eleição de Fernando Collor, a tentativa de impedir a reeleição de Lula, as recorrentes “rasteiras” da emissora no atual presidente da República, a tentativa de esconder a campanha pelas Diretas Já, inclusive mostrando imagem de alguns manifestantes xingando a Globo na época. Alguns expressões utilizadas: “democracia nunca foi o forte da Globo”, “o poder (da Globo) teve origem na ditadura militar”, “a Globo nasceu de uma ação ilícita do governo ditatorial”. Todos os podres da principal emissora de televisão do Brasil foram escancarados. Questiona como a Globo teve acesso a documentos do Ministério Público protegidos por segredo de Justiça. Encerrou a primeira parte da cobertura questionando qual a razão para tanta raiva e tanta agressividade. “Razão pode estar na ameaça ao monopólio”, disse a Record, para em seguida citar boa parte de sua programação, como novelas, futebol, o reality show A Fazenda (que, afirmaram, bateu a Globo em audiência ontem, com 21 pontos a 16). Foi uma defesa exacerbada do seu suposto potencial, falando em aumento de audiência e de faturamento. Números foram apresentados. Ao longo do dia de ontem, de acordo com a reportagem, foram 341 os minutos em que a Record esteve em primeiro lugar. Quase cinco horas e meia, acrescentaram. Finalizou a afirmação: “Liderança que provoca desespero”. Resta descobrir quem é o mais desesperado.
A segunda parte da cobertura focou nas enormes benfeitorias que a emissora diz que a Igreja Universal realiza. Contou toda a história de fundação e expansão da igreja, do trabalho de Edir Macedo, das doações dos fiéis. Explicaram tudo aquilo que não tem explicação, mas em que tanta gente acredita. Que o dinheiro das doações vai para as sedes da igreja e para projetos sociais e patati patatá. As imagens eram de muitas crianças bonitas e limpinhas sendo tratadas por profissionais bonitos e limpinhos em ambientes igualmente bonitos e limpinhos. Tudo financiado pela IURD. No final, Celso Freitas e Ana Paula Padrão – ambos ex-Globo, repito – disseram que a Igreja afirma, por nota que confia na Justiça brasileira, que não vai se deixar levar por pressão de qualquer grupo, “nem mesmo de um que possui um monopólio que prejudica o Brasil”.
Entrevistas houve muito poucas. Um deputado, um ex-ministro, um advogado. Afinal, não se tratava de uma matéria convencional, com a transmissão de uma notícia. Era, antes, um editorial, uma coluna de opinião em defesa da emissora, em ataque raivoso à concorrente. A mesma raiva que a Record acusou a Globo de possuir na edição de ontem veio com tudo no Jornal da Record de hoje. Aliás, mais intensa e mais dirigida, mais aberta, mais explícita.
A cobertura do Jornal Nacional de hoje, que foi ao ar ao mesmo tempo que a da Record, teve a clara intenção de desmoralizar a Igreja Universal, o que é muito fácil. Qualquer um conhece a forma com que ela explora os fiéis. A Globo utilizou essa desmoralização para estender à concorrente seu aspecto negativo, associar as falcatruas da IURD com a Rede Record. Foram três matérias sobre o assunto. A reportagem da Record foi bem mais direta e mais agressiva, embora eles a tenham usado para acusar a Globo justamente de agressividade. A Globo está tentando manter sua posição mais sóbria, tentando parecer mais séria, mesmo que tenha dado um destaque desproporcional e tenha objetivos tão baixos quanto a Record. A disputa é entre gigantes. Entre os dois principais eixos, enormes e podres, da comunicação brasileira. Que um destrua o outro.
A querela está apenas começando. Vai longe, e vai ser muito mais divertida ainda. Acompanhem. Nós estaremos de butuca ligada.
O Correio do Povo, que pertence à Rede Record, não tomou conhecimento do acontecido. Na edição de hoje, não há uma linha sobre o assunto. Diante da cobertura do Jornal da Record, fica claro que não é uma política da empresa. Parece, antes disso, que o jornal não sabia o que fazer e acabou optando por não dar nada com medo de falar bobagem.
Postado por Cris Rodrigues
 
1 comentário

Publicado por em 13 de agosto de 2009 em Globo X Universal, RECORDE, religião

 

Derrubando Gigantes

Derrubando Gigantes

Extraído do livro "Derrubando Gigantes"- Max Lucado

O menino esbelto e imberbe (sem barba) ajoelha-se à beira do riacho. A lama umedece seus joelhos. A água borbulhante refresca sua mão. Se quisesse, ele poderia examinar seus belos traços na água. Seu cabelo tem a cor do cobre. Ele tem a pele bronzeada, cor-de-sangue, e os olhos que roubam o fôlego das moças hebréias. Entretanto, ele não procura pelo seu reflexo, mas por seixos. Pedras. Pequenas pedras lisas. O tipo de pedra que fica bem acomodado no alforje de um pastor que se ajeita bem na funda de couro de um pastor. Pedras achatadas que pesam na palma da mão e são como a força de um cometa lançadas contra a cabeça de um leão, de um urso ou neste caso, de um gigante.

Da encosta da montanha, Golias olha lá para baixo. Ele só não ri, porque não acredita no que vê. Ele e seu bando de filisteus transformaram metade do vale em uma floresta de lanças. Uma gangue rosnenta e sedenta de sangue formada por rufiões ostentava trapos, mau cheiro e tatuagens feitas com arame farpado. Golias está acima de todos eles. Com quase 3 metros de altura, sem sandálias, usando cerca de 55 quilos de armadura e rosnando como se fosse o principal competidor na noite do campeonato da Federação Mundial de Luta Livre. Ele usa gola tamanho 48, um elmo GG e um cinto com aproximadamente 1,40 metro de comprimento. Seus bíceps sobressaem, os músculos das coxas formam ondas e os elogios que faz a si mesmo ecoam pelo desfiladeiro. “Eu desafio hoje as tropas de Israel! Mandem-me um homem para lutar sozinho comigo” (1 Samuel 17:10).

Quem lutará mano a mano comigo? Que venha o melhor atirador que vocês têm. Nenhum hebreu se apresentou por quarenta dias. Nem mesmo Davi. Davi só apareceu nesta manhã. Ele deixou de apascentar o rebanho para levar pão e queijo para seus irmãos na frente de batalha. E ali Davi ouve Golias desafiando Deus, é esse o momento em que Davi toma a sua decisão. “Em seguida pegou seu cajado, escolheu no riacho cinco pedras lisas, colocou-as na sua sacola de pastor, em uma bolsa que tinha, e, com sua atiradeira na mão aproximou-se do filisteu” (17:40).

Golias zomba do rapaz e o apelida de Palito. “Por acaso sou um cão, para que você venha contra mim com pedaços de pau?” (17:43). Davi era magricelo, esquelético. Golias era corpulento e bruto. O palito de dente contra o tornado. A motoca indo de encontro ao caminhão de dezoito rodas. O poodle enfrentando o rottweiler. Na sua opinião, quais são as chances de Davi vencer seu gigante?

Talvez ele tenha mais chances do que as que você se dá para vencer os seus próprios gigantes.

       O seu Golias não carrega uma espada ou um escudo, ele ostenta as espadas do desemprego, do abandono, do abuso sexual, do espancamento, do desprezo, da infedelidade ou da depressão. O seu gigante não desfila para cima e para baixo pelas montanhas de Elá. Ele se ergue no seu trabalho, no seu quarto, na sua sala de aula. Ele traz contas que você não pode pagar, notas que você não pode tirar, pessoas a quem você não pode agradar, a cachaça, a cerveja ou uísque que você não consegue resistir, a pornografia, o sexo ilícito que você não consegue rejeitar, uma carreira da qual você não consegue escapar, um passado em que você não pode mexer e um futuro que você não consegue encarar. Você conhece muito bem o rugido de Golias.

       Davi enfrentou um que buzinava seus desafios de dia e de noite.“Durante quarenta dias o filisteu aproximou-se, de manhã e de tarde, e tomou posição” (17:16). O seu faz a mesma coisa? Há quanto tempo ele o persegue? Os familiares de Golias eram inimigos antigos dos israelitas. Josué os expulsou da terra prometida trezentos anos antes. Ele destruiu todos, menos os que moravam em três cidades: Gaza, Gate e Asdode. Gate gerava gigantes assim como as castanheiras no parque residencial Castanheiras. Adivinhe onde Golias foi criado? Você vê a letra G em sua jaqueta? Colégio de Gate. Seus antepassados eram para os hebreus o que os piratas eram para a marinha Inglesa. Os soldados de Saul viram Golias e murmuraram: “De novo, não. Meu pai lutou contra o pai dele. Meu avô lutou contra o avô dele”.

Você já resmungou coisas semelhantes: “Estou ficando viciado em trabalho como meu pai.”; “O divórcio atravessa nossa árvore genealógica como um perene galho de carvalho.”; “Minha mãe também não consegue manter uma amizade. Será que isso nunca vai parar?”

Golias: o valentão de longa data do vale, mais duro do que carne de segunda, rosna mais do que dois dobermanns. Ele está à sua espera pela manhã e vem atormentá-lo à noite. Ele perseguiu seus antepassados e agora surge diante de você; impede a passagem do sol e o deixa na sombra da dúvida. “Ao ouvirem as palavras do filisteu, Saul e todos os israelitas ficaram atônitos e apavorados” (17:11).

Mas o que estou dizendo para você? Você conhece Golias. Você reconhece o andar dele e recua diante de suas palavras? Você conhece a voz dele? — mas é ela tudo o que você ouve? Davi viu e ouviu mais. Leia as primeiras palavras que ele pronunciou, não só na batalha, mas na Bíblia: “Davi perguntou aos soldados que estavam ao seu lado: ‘O que receberá o homem que matar esse filisteu e salvar a honra de Israel? Quem é esse filisteu incircunciso para desafiar os exércitos do Deus vivo?’” (17:26).

Davi aparece falando sobre Deus. Os soldados nada mencionaram sobre ele, os irmãos nunca falaram seu nome, mas Davi entra em cena e levanta a questão do Deus vivo. Ele faz o mesmo com o rei Saul: não joga conversa fora falando sobre a batalha ou fazendo perguntas sobre as chances de vitória. Ele traz somente um recado de Deus: “O SENHOR que me livrou das garras do leão e das garras do urso me livrará das mãos desse filisteu” (17:37).

Ele continua o assunto com Golias. Em resposta ao escárnio do gigante, o jovem pastor diz: "Você vem contra mim com espada, lança e dardos, mas eu vou contra você em nome do SENHOR dos Exércitos, o Deus dos exércitos de Israel, a quem você desafiou. Hoje mesmo o SENHOR o entregará nas minhas mãos, eu o matarei e cortarei a sua cabeça. Hoje mesmo darei os cadáveres do exército filisteu, as aves do céu e aos animais selvagens, e toda a terra saberá que há Deus em Israel. Todos os que estão aqui saberão que não é por espada ou por lança que o SENHOR concede vitória; pois a batalha é do SENHOR, e ele entregará todos vocês em nossas mãos" (17:45-47).

Ninguém mais fala sobre Deus. Davi não fala sobre outra coisa senão em Deus. Um enredo secundário surge na história. Mais do que “Davi versus Golias”, esse enredo passa a ser “o foco em Deus versus o foco no gigante”. Davi vê o que os outros não vêem e se recusa a ver o que os outros vêem. Todos os olhos, exceto os de Davi, voltam-se para o brutal grandalhão que irradia ódio. Todas as bússolas, menos a de Davi, estão fixadas na estrela polar do filisteu. Todos os jornais, menos o de Davi, descrevem, dia após dia, a terra daquele homem pré-histórico. As pessoas sabem de seus insultos, de suas exigências, de seu tamanho e de seu andar altivo. Todos eram especializados em Golias.

Davi é especialista em Deus. Como você pode imaginar, ele vê o gigante; mas ele vê Deus com nitidez ainda maior. Observe com atenção o grito de guerra de Davi: “Você vem contra mim com espada, lança e dardos, mas eu vou contra você em nome do SENHOR dos Exércitos, o Deus dos exércitos de Israel” (17:45).

Observe o substantivo no plural — exércitos de Israel. Exércitos?

O observador comum vê apenas um exército de Israel. Mas Davi não. Ele vê os Aliados no Dia D, pelotões de anjos e infantarias de santos, as armas do vento e as forças da terra. Deus poderia fazer bolinhas do inimigo como fez com o granizo para Moisés, fazer muralhas ruírem como fez para Josué, trovejar com estrondo como fez para Samuel. Davi vê os exércitos de Deus. E por causa disso “saiu correndo em direção ao exército para enfrentar o filisteu” (17.48)

       Os irmãos de Davi cobrem os olhos, com medo e vergonha. Saul suspira enquanto o jovem hebreu corre para a morte certa. Golias joga a cabeça para trás numa gargalhada, o suficiente para mover seu elmo de lugar e expor um pedacinho da testa. Davi percebe o alvo e aproveita o momento. O som da funda esticando é a única coisa que se ouve no vale. Estiiiiiiiica. Estiiiiiiiica. Estiiiiiiiica. A pedra segue seu vôo pelo ar e em seguida torpedeia a cabeça do gigante. Os olhos de Golias entortam e as pernas se dobram. Ele cai ao chão e morre. Davi corre e desembainha a espada de Golias, fere o filisteu e corta-lhe a cabeça.

Você talvez diga que Davi soube arrancar a cabeça de seu gigante. Quando foi a última vez em que você fez a mesma coisa? Quanto tempo faz desde o dia em que você enfrentou seu desafio? Temos a tendência de recuar, de nos metermos debaixo da mesa do trabalho ou de nos arrastarmos para uma boate em busca de distração ou para uma cama à procura do amor proibido. Por um instante, um dia ou um ano, sentimo-nos seguros, isolados, anestesiados, mas o trabalho acaba, a bebida desaparece ou o amante nos deixa — e ouvimos o Golias de novo: estrondoso, bombástico.

       Experimente uma tática diferente.

       Faça Deus aumentar e o Golias diminuir. Receba alguma solução irrevogável do céu. Gigante do divórcio, você não vai entrar na minha casa! Gigante da depressão? Você pode levar uma vida inteira, mas não me vencerá. Gigante do álcool, do fanatismo, do abuso infantil, da insegurança… você vai cair por terra. Quanto tempo faz desde que você pegou o seu estilingue e acertou o seu gigante?

       Você disse que faz muito tempo? Então Davi é o exemplo que você tem a seguir. Deus o chamou de “homem segundo o meu coração” (Atos 13:22). Ele não deu esse título a nenhum outro. Nem a Abraão ou Moisés ou José. Ele chamou Paulo de apóstolo, João de seu amado, mas nenhum deles foi identificado como um homem segundo o coração de Deus. Alguém talvez leia a história de Davi e se pergunte o que Deus viu nele. O camarada caía toda vez que se levantava, tropeçava toda vez que vencia. Ele perturbou Golias com o olhar, mas cobiçou Bate-Seba com os olhos; desafiou os escarnecedores de Deus no vale, mas se juntou a eles no deserto. Em um dia, era um escoteiro condecorado e, no outro, fazia amizade com mafiosos. Pôde liderar exércitos, mas não pôde administrar uma família. Davi se irritava. Davi lamentava. Tinha sede de sangue. Tinha fome de Deus. Tinha oito esposas. Tinha um Deus. Um homem segundo o coração de Deus? O fato de Deus vê-lo do modo como ele é enche-nos de esperança. A vida de Davi tem pouca coisa a oferecer se você se acha santo imaculado. Os de alma reta acham a história de Davi decepcionante. Para o restante de nós, ela é reconfortante. Estamos na mesma montanha-russa. Alternamos entre bons mergulhos e barrigadas contra a água, filés ao molho e ovos fritos. Nos bons momentos de Davi, ninguém foi melhor. Em seus maus momentos, alguém poderia ser pior? O coração que Deus amava era um coração cheio de altos e baixos. Precisamos da história de Davi. Os gigantes andam à espreita em nossa vizinhança. Rejeição. Fracasso. Vingança. Remorso.

       Nossos conflitos parecem o programa de um lutador profissional:

·         “No evento principal, temos o Cara Decente contra o Clube dos Cafajestes.”

·         “Pesando 50 quilos, Elizabeth, A Garota maravilhosa que conheceu JESUS, lutará com unhas e dentes contra os Idiotas que Pegaram e Partirem seu Coração.”

·         “Deste lado, o frágil casamento de Roni e Mary. Do lado oposto, o rival que vem do estado da confusão, o destruidor de lares chamado Desconfiança.”

       Gigantes. Temos de encará-los. Contudo, não precisamos enfrentá-los sozinhos. Concentre-se primeiro, e, na maior parte do tempo, em Deus. As vezes em que Davi fez isso, os gigantes caíram. Os dias em que não fez, foi Davi que caiu.

Teste essa teoria com a Bíblia aberta. Leia 1 Samuel 17 e faça uma lista com as observações que Davi fez com relação a Golias. Achei apenas duas: uma afirmação para Saul sobre Golias (v. 36) e uma diante de Golias — “Quem é esse filisteu incircunciso para desafiar os exércitos do Deus vivo?” (v. 26). É isso. Dois comentários relacionados a Golias (e, falando nisso, comentários insignificantes) e nenhuma pergunta. Nenhuma pergunta sobre a habilidade, a idade, a posição social ou o QI de Golias. Davi não pergunta nada sobre o peso da lança, o peso do escudo ou o significado da caveira com as duas tíbias cruzadas que estavam tatuadas nos bíceps do gigante. Davi não pensa no diplódoco na montanha. Ele é um zero à esquerda. Contudo, ele pensa muito em Deus. Leia as palavras de Davi novamente, desta vez sublinhando as referências que ele faz ao Senhor.

“Os exércitos do Deus vivo” (v. 26).

       “Os exércitos do Deus vivo” (v. 36).

       “O SENHOR dos Exércitos, o Deus dos exércitos de Israel” (v. 45).

       “O SENHOR o entregará nas minhas mãos […] e toda a terra saberá que há Deus em Israel” (v. 46).

       “Não é por espada ou por lança que o SENHOR concede vitória; pois a batalha é do SENHOR, e ele entregará todos vocês em nossas mãos” (v.47).

       Contei nove referências. São nove pensamentos acerca de Deus comparados a dois pensamentos acerca de Golias. De que forma essa proporção se compara com a sua? Você pensa quatro vezes mais na graça de Deus do que na sua culpa? Sua lista de bênçãos é quatro vezes mais longa do que sua lista de reclamações? Seu arquivo mental de esperança é quatro vezes mais denso que seu arquivo mental de medo? Você está quatro vezes mais propenso a descrever a força de Deus do que a descreveras exigências de seu dia? Não? Então Davi é o homem certo para você.

       Alguns notam a ausência de milagres na história dele. O Mar Vermelho não se abre, não há carruagens de fogo nem Lázaros mortos que saem andando. Nenhum milagre. Mas há um. Davi é um milagre. Uma maravilha ambulante de Deus que, embora tosca, ilumina em cores vívidas esta verdade:

Você é um milagre!

       Concentre-se nos gigantes — você tropeçará.

       Concentre-se em Deus — seus gigantes cairão.

Erga os olhos, matador de gigantes. O Deus que fez de Davi um milagre está pronto para fazer o mesmo com você.

Revisão: Roberta Prestes de Aquino

Max Lucado

 

 
Deixe um comentário

Publicado por em 5 de agosto de 2009 em Sem categoria

 

Cativeiro Espiritual

Cativeiro Espiritual

 

Lucas 13:16E não devia ser solta desta prisão, no dia de sábado, esta que é filha de Abraão, a qual há dezoito anos Satanás tinha presa?

 

A. A mulher estava presa

1. Ela era crente há 18 anos

2. Ela freqüentava a mesma igreja ha 18 anos, mas não era curada – não importa o tempo que você é crente, você precisa entender que ser crente é pertencer há uma igreja. Porem ser seguidor de JESUS, é pertencer há uma pátria. Seguir a JESUS é pertencer há um reino, o reino de DEUS.

3. A igreja é a embaixada dos REINO DOS CÉUS – nós como embaixadores deste REINO, precisamos usar a medicina deste REINO. Curar as pessoas de suas enfermidades. Muitas pessoas estão na igreja e não são curadas por que não conhecem o REINO DE DEUS.

4. Jesus já ministrou a cura na sua vida – Mas você precisa assumir esta cura na sua vida. O SENHOR já fez uma aliança com você. Ele fez um pacto com você e comigo. Agora nós, eu e você, precisamos fazer um pacto com ele.

5. Você precisa entregar para o SENHOR tudo aquilo que prende você – quando você assume o evangelho, que é o poder de DEUS na vida de todo aquele que crê, você assume que JESUS é o seu SENHOR e que você não serve mais a ninguém. Quando você entrega para o SENHOR todas as suas reservas, seus medos, seus desapontamentos, suas tristezas, suas fraquezas, quando você vem a frente da congregação e confessa que JESUS é o seu SENHOR, o diabo perde o direito, por que tem testemunhas oculares que você tomou uma decisão e que a partir de agora você renuncia as obras de satanás em sua vida.

6. JESUS é quem chamou a mulher para que ela viesse a frente da congregação – para que houvesse testemunhas do poder de DEUS, o seu REINO estava sendo estabelecido naquela vida.

7. Repita comigo esta oração:

Lucas 4:18 O Espírito do Senhor está sobre mim, porquanto me ungiu para anunciar boas novas aos pobres; enviou-me para proclamar libertação aos cativos, e restauração da vista aos cegos, para pôr em liberdade os oprimidos,

8. Não existe melhor dia pra ser curado do que agora – quando Jesus encontrou essa filha de Abrão, essa crente, era no sábado, mas os religiosos não queriam que ela fosse curada porque era sábado, os religiosos gostam de regras. Mas DEUS vê que a melhor ora para se curar alguém é agora.

9. Você pode estar na igreja a 18 anos mas se ainda não serve ao SENHOR – você precisa tomar uma decisão de servi-lo agora, para que seja curado e a melhor forma de fazer é vindo na frente para que você declare para o mundo espiritual que você agora renuncia a todos os laços do diabo.

 

B. Você precisa entender que:

O mal dessa mulher era o Cativeiro

1. Cativeiro é lugar de grande angustia medo e desesperança. Parece que não há saída.

2. Ninguém vai pro cativeiro por livre e espontânea vontade, pois ninguém quer estar lá. As pessoas lutam a fim de evitar esse lugar, mas acabam sem forças, e são apanhadas.

3. Só se é levado cativo quando existe um motivo. O indivíduo é preso porque cometeu uma infração. Só esta no cativeiro espiritual quem deu lugar ao diabo. No caso desta filha de Abraão não sabemos o que levou ela a ficar cativa.

4. No cativeiro existe monitoramento, ou seja, guardas que vigiam o local. Além de estar preso, há seres espirituais que cuidam para que o indivíduo continue neste estado de prisão.

5. É um lugar onde ninguém que estar, mas de onde não se consegue sair. Quem se encontra em um cativeiro tem uma área de sua vida aprisionada, não consegue, por exemplo, se ver livre de um pensamento, de um sentimento, de uma vontade, de um vício e de pecados que são verdadeiras algemas.

6. Um cativeiro pode ser invisível do ponto de vista espiritual. A grande maioria das pessoas que estão nessa situação não se deu conta disso. Às vezes, até mesmo os que convivem com os cativos não percebem. No caso desta filha de Abraão ficaram perplexos diante da libertação recebida, pois, para aquela congregação, aquela enfermidade mas parecia um mal natural do que espiritual.

 

Existem muitas pessoas presas em cativeiros espirituais. São vícios incontroláveis, doenças misteriosas e escravisantes, negócios que não vão a frente, nunca dão certo, muito embora tenha todas as perspectivas favoráveis, pensamentos incontroláveis, sentimentos que não se conseguem controlar. Tudo isso pode ser um cativeiro! Fazer algo que não se quer fazer e deixar de fazer algo que se deseja fazer pode indicar uma prisão espiritual.

 

Ministração:

Repita comigo:

 

Salmos 142:7 Atende ao meu clamor, porque estou muito abatido; livra-me dos meus perseguidores, porque são mais fortes do que eu. 7 Tira-me da prisão, para que eu louve o teu nome; os justos me rodearão, pois me farás muito bem.

 

O sangue de JESUS é que me garante a liberdade em CRISTO JESUS, por isso eu sou livre.

 

Não existe nenhuma condenação para mim que estou EM CRISTO JESUS.

 

O diabo não tem mais poder nem autoridade sobre mim. Amém.

 

 

Pr. Ronildo da Cruz Ribeiro

IDPB-Monte Horebe

Manaus, AM 24 de fevereiro de 2009.

 

 
Deixe um comentário

Publicado por em 5 de agosto de 2009 em PREGAÇÕES

 

Afinal de contas, por que motivo estou aqui?

Afinal de contas, por que motivo estou aqui?

 

Provérbios 11:28

Aquele que confia nas suas riquezas, cairá; mas os justos reverdecerão como a folhagem.

 

Jeremias 17:7, 8;

Bendito o varão que confia no Senhor, e cuja esperança é o Senhor. Porque é como a árvore plantada junto às águas, que estende as suas raízes para o ribeiro, e não receia quando vem o calor, mas a sua folha fica verde; e no ano de sequidão não se afadiga, nem deixa de dar fruto.

 

1.         Tudo Começa com Deus

Colossenses 1.16;

Porque Nele foram criadas todas as coisas nos céus e na terra, as visíveis e as invisíveis, sejam tronos, sejam dominações, sejam principados, sejam potestades; tudo foi criado por ele e para ele.

 

A menos que se admita a existência de Deus, a questão que se refere ao propósito para a vida não tem sentido. Bertrand Russell, ateu

 

2.         A questão não é você.

O propósito de sua vida é muito maior que sua realização pessoal, sua paz de espírito ou mesmo sua felicidade. É muito maior que sua família, sua carreira ou mesmo seus mais ambiciosos sonhos e aspirações.

 

Se você quiser saber por que foi colocado neste planeta, deverá começar por Deus. Você nasceu de acordo com os propósitos dele e para cumprir os propósitos dele.

 

A procura pelo propósito (sentido) da vida tem intrigado as pessoas por milhares de anos. Isso porque normalmente começamos pelo lado errado — nós mesmos.

 

Nós fazemos perguntas voltadas para a nossa pessoa, como: “O que eu quero ser? O que eu deveria fazer com a minha vida? Quais são meus objetivos, minhas ambições e meus sonhos para o futuro?”. Mas concentrarmo-nos em nós mesmos jamais desvendará o propósito de nossa vida. A Bíblia diz: A vida de todas as criaturas está na mão de Deus; é ele quem mantém todas as pessoas com vida.

 

Você não irá descobrir o significado de sua vida olhando dentro de si mesmo. É provável que você já tenha tentado isso. Você não criou a si mesmo, logo não há jeito de dizer a si mesmo para que foi criado!

 

Se eu lhe entregar uma invenção desconhecida, você não terá como saber sua serventia nem a própria invenção terá a capacidade de lhe dizer. Somente o criador ou o manual do fabricante poderá mostrar sua utilidade.

 

Você não pode chegar ao propósito da sua vida concentrando-se em si mesmo. Você deve começar com Deus, seu Criador. Você só existe porque Deus deseja que você exista. Você foi feito por Deus e para Deus — e, enquanto não compreender isso, a vida jamais terá sentido.

 

É somente em Deus que descobrimos nossa origem, nossa identidade, o que significamos, nosso propósito, nossa importância e nosso destino. Todos os outros caminhos levam a um beco sem saída.

 

Muitas pessoas tentam usar Deus para sua auto-realização, mas isso é contrário à natureza e está fadado ao fracasso.

 

3.         Você foi feito por Deus, e não o contrário;

Viver é deixar Deus usá-lo para seus propósitos, e não você usar a Deus para o que deseja. A Bíblia diz: A obsessão consigo mesmo nesses assuntos leva a uma situação sem solução; a atenção para com Deus nos leva a uma vida livre e abundante.

 

Ser bem-sucedido e cumprir o propósito para sua vida são coisas absolutamente distintas!

 

Você poderia alcançar seus objetivos pessoais, tornando-se um sucesso pelos padrões do mundo, e ainda assim falhar em alcançar os propósitos para os quais Deus o criou.

 

4.         Você tem um manual; a Bíblia Sagrada

A BÍBLIA não é um livro de auto-ajuda. Não ensina a encaixar mais atividades em uma agenda lotada. Na verdade, ela ensinará a fazer menos na vida — ao se concentrar no que mais importa. Ela ajudará a se tornar o que Deus pretendia fazer de você ao criá-lo.

 

Então, como descobrir o propósito para o qual você foi criado? Você só tem duas opções. A primeira é a especulação. Essa é a opção escolhida pela maioria das pessoas. Elas conjeturam, supõem, teorizam.

 

Quando as pessoas dizem “Eu sempre pensei que a vida fosse…”, querem dizer: “Este é o melhor palpite que posso dar”. Por milhares de anos, filósofos brilhantes discutiram e ponderaram sobre o significado da vida.

 

O Dr. Hugh Moorhead, professor de Filosofia na Northeastern Illinois University, escreveu certa vez para 250 dos mais conhecidos filósofos, cientistas e intelectuais do mundo, perguntando: “Qual o significado da vida?”. Ele então publicou suas respostas em um livro. Alguns deram seus melhores palpites, alguns admitiram ter apenas inventado um propósito para a vida e outros foram honestos o bastante para dizer que não tinham a menor idéia. Na verdade, vários intelectuais de renome pediram ao professor Moorhead que respondesse, caso descobrisse o propósito da vida!

 

Felizmente, há uma alternativa à especulação sobre o significado e propósito da vida. Trata-se da revelação.

 

Podemos nos voltar para o que Deus revelou sobre a vida em sua Palavra. O modo mais fácil de descobrir o propósito de uma invenção é perguntando ao inventor.

 

Descobrir o propósito de sua vida funciona da mesma forma: pergunte a Deus.

 

5.         Você precisa ler a Bíblia

Deus não nos deixou às cegas, para ficarmos nos questionando e conjeturando. Ele claramente revelou, ao longo da Bíblia, seus cinco propósitos para nossa vida. É o nosso “Manual do proprietário”, que explica por que estamos vivos, como a vida funciona, o que evitar e o que esperar do futuro.

 

Ela explica o que nenhum livro de auto-ajuda ou de filosofia pode saber. A Bíblia diz: A sabedoria de Deus […] trata profundamente de seus propósitos […] não sendo sua mensagem recente, e sim a mais antiga — que Deus determinou como a forma de aflorar o melhor de si em nós?

 

DEUS não é apenas o ponto de partida de nossa vida: é a fonte dela. Para descobrir o propósito para sua vida, volte-se para a Palavra de Deus, e não para a sabedoria do mundo.

 

Você deve edificar sua vida sobre verdades eternas, e não sobre psicologia popular, histórias inspiradoras e estímulos para alcançar o sucesso.

 

A Bíblia diz:

Colossenses 1.

13 e que nos tirou do poder das trevas, e nos transportou para o reino do seu Filho amado; 14 em quem temos a redenção, a saber, a remissão dos pecados; 15 o qual é imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação; 16 porque nele foram criadas todas as coisas nos céus e na terra, as visíveis e as invisíveis, sejam tronos, sejam dominações, sejam principados, sejam potestades; tudo foi criado por ele e para ele. 17 Ele é antes de todas as coisas, e nele subsistem todas as coisas; 18 também ele é a cabeça do corpo, da igreja; é o princípio, o primogênito dentre os mortos, para que em tudo tenha a preeminência,

 

Esse versículo nos dá três descobertas a respeito do nosso propósito:

 

1.   Você descobre a sua identidade e propósito através de um relacionamento com Jesus Cristo. Se você não tem esse relacionamento, esta é a hora de começar.

 

2.   Deus já pensava a seu respeito muito antes de você pensar a respeito dele. O propósito determinado por ele para a sua vida é anterior o seu nascimento. Ele planejou isso antes que você existisse, sem a sua contribuição!  Você pode escolher sua carreira, seu cônjuge, seus passatempos e muitas outras partes da sua vida, mas não pode escolher o seu propósito.

 

3.   O propósito da sua vida cabe em um outro propósito muito maior e cósmico, que Deus planejou para a eternidade.

 

Você deve ter se sentido perdido a respeito do seu propósito na vida. Parabéns! Você está prestes a caminhar para a luz.

 

Um tema para reflexão: A questão não sou eu.

 

Um versículo para memorizar: porque nele foram criadas todas as coisas nos céus e na terra, as visíveis e as invisíveis, sejam tronos, sejam dominações, sejam principados, sejam potestades; tudo foi criado por ele e para ele. Colossenses 1:16

 

Uma pergunta para meditar: Apesar de todos os argumentos ao meu redor, como posso lembrar-me de que a vida é na verdade viver para Deus, e não para mim mesmo?

 

 

Extraído do livro uma Vida com Propósito

Rick Warrem

 
Deixe um comentário

Publicado por em 5 de agosto de 2009 em Sem categoria